telefone(85) 4009.6300

TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA

Objetivo

Habilitar profissionais para desenvolver, instalar e manter sistemas eletroeletrônicos de acordo com procedimentos e normas técnicas, ambientais, de qualidade, de saúde e segurança no trabalho.

Pré-requisito

Para realizar a matrícula, o interessado deverá:
- ter concluído o Ensino médio ou estar cursando no mínimo o 2º ano do ensino médio.

A matrícula poderá ser efetivada por interessados (ou responsável legal) com a apresentação de cópias dos seguintes documentos:
- histórico escolar e certificado de conclusão do ensino médio ou declaração da escola comprovando que o aluno está devidamente matriculado e frequentando regularmente, no mínimo, o 2º ano do ensino médio;
- carteira de identidade ou carteira nacional de habilitação;
- cadastro de pessoa física – CPF;
- comprovante de residência;
- duas fotos 3X4 atualizadas.


Observação: Para o recebimento do Certificado/Diploma é necessário informar um e-mail válido.

Conteúdo

  • COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA
    • 1. Parágrafo
    • 1.1. Estrutura interna: Tópico frasal, ideias secundárias
    • 1.2. Unidade interna: Sequência de ideias, coerência, concisão
    • 1.3. Tipos de parágrafo: Narrativo, descritivo, dissertativo
    • 2. Descrição
    • 2.1. Objeto, processo, ambiente
    • 3. Estrutura de Dissertação
    • 3.1. Introdução, desenvolvimento, conclusão
    • 4. Relatório Técnico
    • 4.1. Estrutura básica; tipos de relatório: Atividade, ocorrência, estudos ou de pesquisa
    • 5. Internet
    • 5.1. Pesquisa; comunicação: E-mail, SMS
    • 6. Editor de Texto
    • 6.1. Digitação de textos; inserções; formatação; impressão de arquivos
    • 7. Editor de apresentações gráficas
    • 7.1. Apresentação: Estruturação da apresentação, gerenciamento de tempo, ferramentas de multimídia; slide; regras de estruturação, inserção de figuras e arquivos, formatação
  • ELETRICIDADE
    • 1.     Indutores
    • 1.1.    Princípio do armazenamento de cargas elétricas
    • 1.2.    Constante de tempo RL
    • 1.3.    Indutância equivalente de associações de capacitores em série, paralela e mista
    • 2.     Capacitores
    • 2.1.    Princípio do armazenamento de cargas elétricas
    • 2.2.    Capacitância equivalente de associações de capacitores em série, paralela e mista
    • 2.3.    Constante de tempo RC
    • 2.4.    Magnetismo
    • 2.5.    Origem do magnetismo
    • 2.6.    Teoria WEBER
    • 2.7.    Teoria dos domínios magnéticos
    • 2.8.    Campo magnético
    • 2.9.    Densidade de campo magnético ou densidade de fluxo magnético
    • 2.10.  Indução magnética - Imantação
    • 2.11.  Classificação das substâncias quanto ao comportamento magnético
    • 2.12.  Permeabilidade magnética
    • 2.13.  Relutância magnética
    • 3.     Eletricidade
    • 3.1.    Materiais elétricos
    • 3.2.    Fontes de alimentação
    • 3.3.    Simbologia
    • 3.4.    Tipos
    • 3.5.    Histórico
    • 4.     Fundamentos de Eletrostática e Eletrodinâmica
    • 4.1.    Carga Elétrica
    • 4.2.    Eletrização
    • 4.3.    Lei de Coulomb
    • 4.4.    Campo elétrico
    • 4.5.    Potencial elétrico
    • 4.6.    Diferença de Potencial
    • 4.7.    Corrente Elétrica
    • 4.8.    Força elétrica
    • 4.9.    Energia elétrica
    • 4.10.  Potência elétrica
    • 5.     Eletromagnetismo
    • 5.1.    Campo magnético criado pela corrente elétrica
    • 5.2.    Força eletromagnética
    • 5.3.    Motor elétrico de corrente contínua
    • 5.4.    Indução eletromagnética
    • 5.5.    Fluxo magnético
    • 5.6.    Lei de faraday
    • 5.7.    Lei de lenz
    • 5.8.    Fenômenos do eletromagnetismo
    • 5.9.    Campo magnético gerado em torno de um condutor retilíneo
    • 5.10.  Campo magnético gerado no centro de uma espira circular
    • 5.11.  Vetor campo magnético indutor – força magnetizante
    • 5.12.  Força magneto-motriz
    • 5.13.  Força eletromagnética sobre um condutor retilíneo (Regra de Fleming)
    • 5.14.  Torque de giro numa espira
    • 5.15.  Tensão induzida em condutores que cortam um campo magnético
    • 5.16.  Gerador elementar de corrente alternada
    • 5.17.  Tensões e correntes alternadas
    • 6.     Propriedade dos Materiais
    • 6.1.    Resistência
    • 6.2.    Condutância
    • 6.3.    Resistividade
    • 6.4.    Susceptância
    • 6.5.    Coeficiente de temperatura
    • 7.     Análise de circuitos em corrente contínua
    • 7.1.    Resistência equivalente de associações de resistores em série, paralelo e mista
    • 7.2.    Segunda Lei de Ohm
    • 7.3.    Lei de Joule
    • 7.4.    Lei da corrente de Kirchhoff (Lei dos nós)
    • 7.5.    Lei da tensão de Kirchhoff (Lei das malhas)
    • 8.     Corrente Alternada
    • 8.1.    Princípio de geração (gerador elementar)
    • 8.2.    Grandezas e valores característicos
    • 8.3.    Período
    • 8.4.    Frequência
    • 8.5.    Valores de pico
    • 8.6.    Valor eficaz
    • 8.7.    Valor médio
    • 9.     Análise de Circuitos de Corrente Alternada (Análise fasorial nas formas polar e retangular)
    • 9.1.    Circuitos Monofásicos
    • 9.2.    Características de Tensão, Corrente, Reatância, Susceptância, Impedância e Admitância, Potências (ativa, reativa e aparente) e Fator de Potência (FP – cos) em circuitos:
    • 9.2.1.   Resistivo (R)
    • 9.2.2.   Capacitivo (C)
    • 9.2.3.   Indutivos (L)
    • 9.2.4.   Resistivo-Capacitivo RC - (série e paralelo)
    • 9.2.5.   Resistivo-Indutivo RL (série e paralelo)
    • 9.2.6.   Resistivo-Indutivo-Capacitivo RLC (série e paralelo)
    • 10.   Filtros passivos
    • 10.1.  Passa-baixas
    • 10.2.  Passa altas
    • 10.3.  Passa-faixa
    • 10.4.  Rejeita faixa
    • 11.   Aspectos relacionados à segurança e meio ambiente nos serviços em eletricidade
    • 11.1.  Riscos no ambiente de trabalho
    • 11.2.             Equipamentos de proteção individual – EPI’s
    • 11.3.             Descarte de resíduos
    • 12.   Circuitos Trifásicos
    • 12.1.  Características de tensão (linha e fase), corrente (linha e fase), potências (ativa, reativa e aparente) e Fator de potência (FP – cos) nas configurações:
    • 12.1.1. Estrela com neutro
    • 12.1.2. Delta com neutro
    • 12.1.3. Delta aberto.
    • 13.   Processos de geração de energia
    • 13.1.  Pressão
    • 13.2.  Química
    • 13.3.  Magnética
    • 13.4.  Térmica
    • 13.5.  Mecânica
    • 13.6.  Luminosa
    • 14.   Fontes geradoras por ação de
    • 14.1.  Pressão
    • 14.2.  Química
    • 14.3.  Magnética
    • 14.4.  Térmica
    • 14.5.  Mecânica
    • 14.6.  Luminosa
    • 15.   Semicondutores
    • 15.1.  Diodos:
    • 15.1.1. Diodos retificadores
    • 15.1.2. Diodos Zener
    • 15.1.3. LED
    • 16.   Transistores:
    • 16.1.  Polarização
    • 16.2.  Transistor como Chave
    • 17.   CI Regulador – Família 78XX e 79XX
    • 17.1.  Amplificador Operacional 
    • 17.2.  CI Oscilador 555
    • 17.3.  Sistemas de numeração e conversões
    • 17.4.  Portas lógicas (AND, OR, NOT, NAND, NOR, EX-OR, EX-NOR):
    • 17.5.  Simbologia característica e retangular (ANSI/IEEE)
    • 17.6.  Tabela-verdade
    • 17.7.  Circuitos lógicos
    • 17.8.  Simplificação de Circuitos Combinacionais
    • 17.9.  Algebra Boleana
    • 17.10. Mapa de Karnaugh
  • LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHO TÉCNICO
    • 1. Planta baixa arquitetônica
    • 1.1. Cortes
    • 1.2. Detalhes
    • 1.3. Prumada
    • 1.4. Dimensões lineares e de área
    • 2. Instrumentos de medidas dimensionais
    • 2.1. Escalímetro
    • 2.2. Régua graduada
    • 2.3. Metro articulado
    • 2.4. Trena
    • 3. Leitura e interpretação de projeto de instalação predial
    • 3.1. Simbologias
    • 3.2. Diagramas
    • 3.3. Localização em planta baixa arquitetônica dos elementos da instalação (pontos de Iluminação, tomadas de uso geral e específico, TV, telefone, dados, sistemas autômamos de segurança patrimonial, sistemas de automação predial)
    • 3.4. Quadro de carga
    • 3.5. Memorial de cálculos
    • 3.6. Memorial descritivo
  • QUALIDADE, SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA NO TRABALHO
    • 1. Qualidade
    • 1.1. Terminologias e procedimentos
    • 1.2. Princípios de gestão da qualidade
    • 1.3. Processo
    • 2. Ferramentas
    • 2.1. Pareto
    • 2.2. Ishikawa
    • 2.3. Histograma
    • 2.4. Lista de Verificação
    • 2.5. Brainstorm
    • 2.6. Gráfico de Controle
    • 2.7. Diagrama de Dispersão
    • 3. Planilhas e gráficos
    • 3.1. Formatação
    • 3.2. Inserções de dados
    • 3.3. Edição
    • 3.4. Impressão de arquivos
    • 4. Saúde e Segurança
    • 4.1. Acidentes de trabalho (Definições, características, tipos);
    • 4.2. Doenças (profissionais, doença do trabalho);
    • 4.3. Condições ambientais (riscos ambientais no trabalho),
    • 4.4. Riscos ergonômicos,
    • 4.5. Riscos elétricos,
    • 4.6. Prevenção e redução de danos;
    • 4.7. Riscos ocupacionais (medidas preventivas),
    • 4.8. Utilização de equipamentos de prevenção individual (EPI’s),
    • 4.9. Utilização de equipamentos de prevenção coletiva (EPC’s)
    • 4.10. Controle e conservação dos equipamentos de proteção)
    • 4.11. A CIPA
    • 5. Meio ambiente
    • 5.1. Aspectos e impactos ambientais da ação humana: Consumo consciente
    • 5.2. Reciclagem de lixo, descarte de resíduos
    • 5.3. Ecossistemas e globalização dos problemas ambientais
    • 5.4. Racionalização do uso dos recursos naturais e fontes de energia
    • 5.5. Preservação do meio
    • 5.6. Tecnologias limpas
    • 5.7. Uso de recursos renováveis e desenvolvimento sustentável
  • INSTALAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS PREDIAIS
    • 1. Planta baixa arquitetônica
    • 1.1. Cortes
    • 1.2. Detalhes
    • 1.3. Prumada
    • 1.4. Dimensões lineares e de área
    • 2. Instrumentos de medidas dimensionais
    • 2.1. Escalímetro
    • 2.2. Régua graduada
    • 2.3. Metro articulado
    • 2.4. Trena
    • 3. Leitura e interpretação de projeto de instalação predial
    • 3.1. Memorial de cálculos
    • 3.2. Memorial descritivo
    • 3.3. Simbologias
    • 3.4. Diagramas
    • 3.5. Quadro de carga
    • 3.6. Localização em planta baixa arquitetônica dos elementos da instalação (pontos de iluminação, tomadas de uso geral e específico, TV, telefone, dados, sistemas autômatos de segurança patrimonial, sistemas de automação predial)
    • 4. Montagem de infraestrutura para instalações elétricas prediais com
    • 4.1. Eletrocalhas e acessórios
    • 4.2. Perfilados e acessórios
    • 4.3. Eletrodutos e acessórios
    • 4.4. Canaletas e acessórios
    • 4.5. Leitos e acessórios
    • 5. Instalação de circuitos de alimentação, distribuição e terminais para circuitos de iluminação e tomadas industriais
    • 6. Instalação de quadros de distribuição para circuitos terminais de iluminação e tomadas industriais
    • 7. Instalação de circuitos de alimentação, distribuição e terminais para circuitos de força motriz
    • 8. Confecção de Emendas entre condutores com
    • 8.1. Conectores à torção;
    • 8.2. Conectores à pressão tipo Split Bolt
    • 8.3. Luvas à compressão
    • 8.4. Condutor Condutor
    • 9. Técnicas de isolamento de emendas entre condutores
    • 9.1. Climpagem de terminais à compressão
    • 9.2. Conexões elétricas com solda exotérmica
    • 10. Instalação de circuitos terminais de comando e controle de iluminação
    • 10.1. Interruptores (simples, paralelos e intermediários)
    • 10.2. Relés de impulso
    • 10.3. Relés fotoelétricos
    • 10.4. Sensores de presença
    • 10.5. Minuterias
    • 10.6. Programadores horários
    • 10.7. Temporizadores (Timer switch)
    • 10.8. Controle de luminosidade (Dimmer)
    • 10.9. Dispositivos de sinalização sonora
    • 11. Instalação de circuitos terminais para tomadas de
    • 11.1. Uso em geral
    • 11.2. Uso específicos
    • 11.3. Uso Industriais
    • 12. Instalação de Bombas de recalque
    • 13. Sistemas Autônomos de Segurança Patrimonial
    • 13.1. Detecção de Incêndio
    • 13.2. Cerca elétrica
    • 13.3. Detecção de Intrusão
    • 13.4. Vigilância por circuito fechado de televisão (CFTV)
    • 13.5. Portão automático
    • 13.6. Porteiro automático
    • 14. Instalação de sistemas de automação predial (Tecnologia KNX)
    • 14.1. Automação (Controle central, local ou remoto)
    • 14.2. Componentes e interfaces do sistema
    • 14.3. Topologia de redes KNX
    • 14.4. Iluminação (Controle de iluminação e regulação)
    • 14.5. Controle de climatização (Sistemas de aquecimento, ar condicionado e ventilação)
    • 14.6. Proteção solar (Controle de persianas, brises e toldos)
    • 14.7. Segurança e proteção (Segurança e vigilância)
    • 14.8. Gestão energética (Gestão de energia e consumo)
    • 14.9. Comunicação (Gateways de acesso remoto e comunicação)
    • 14.10. Operação (Visualização, utilização e supervisão)
    • 14.11. Instalação de sistema de aterramento
    • 14.12. Eletrodos de aterramento;
    • 14.13. Esquemas de aterramento
    • 14.14. (TNS, TNCS, TNC, TT e IT)
    • 14.15. Verificação de conformidade das instalações dos sistemas elétricos
    • 15. Ensaios de funcionamento (verificação dos valores de tensão e corrente)
  • INSTALAÇÃO DE SISTEMAS ELETROELETRÔNICOS INDUSTRIAIS
    • 1. Transformadores
    • 1.1. Monofásicos
    • 1.2. Trifásicos
    • 1.3. Princípios de funcionamento
    • 1.4. Características nominais
    • 1.5. Esquemas de ligações
    • 2. Motores Elétricos Assíncronos de Indução Monofásicos e Trifásicos
    • 2.1. Corrente nominal
    • 2.2. Princípio de funcionamento (campo girante)
    • 2.3. Características
    • 2.4. Velocidade síncrona
    • 2.5. Escorregamento
    • 2.6. Velocidade nominal
    • 2.7. Potência nominal
    • 2.8. Corrente de partida
    • 2.9. Características de conjugado (nominal, mínimo, máximo e de partida)
    • 2.10. Curvas de conjugado X velocidade
    • 2.11. Categoria de emprego (N, H, D, NY e HY)
    • 2.12. Inércia da carga
    • 2.13. Tempo de aceleração
    • 2.14. Regimes de partida
    • 2.15. Corrente de rotor bloqueado
    • 2.16. Regimes de serviço
    • 2.17. Fator de serviço
    • 2.18. Classes de isolamento
    • 2.19. Graus de proteção
    • 2.20. Interpretação da placa de identificação
    • 3. Esquemas de interligações entre bobinas (tensões e correntes de linha e de fase)
    • 3.1. Triângulo (Paralelo e Série)
    • 3.2. Estrela (Paralelo e Série)
    • 4. Quadros de Comando e Acessórios para instalação de Acionamentos Elétricos Industriais
    • 4.1. Quadros de comando (tipos, características e normalização)
    • 4.2. Trilhos
    • 4.3. Canaletas
    • 4.4. Régua de bornes
    • 4.5. Anilhas, etiquetas, cintas e placas de identificação
    • 5. Simbologia e diagramas de comandos elétricos
    • 5.1. Simbologias normalizadas
    • 6. Montagem de quadro de comando para Sistemas de Partida de Motores de Indução Trifásicos
    • 7. Controladores Programáveis
    • 7.1. Estrutura básica
    • 7.2. Ciclo de processamento SCAN
    • 7.3. Arquitetura de um CLP
    • 7.4. Sistema de memória
    • 7.5. Comunicação com computador e Interface Homem Máquina
    • 7.6. Tipos de entrada e saída (digital e analógica)
    • 7.7. Configuração dos módulos de entrada e saída
    • 7.8. Programação de entradas e saídas digitais
    • 7.9. Interface Homem Máquina
    • 7.10. Testes de cabos de redes industriais
    • 7.11. Finalidade
    • 7.12. Funcionamento
    • 7.13. Procedimento de Testes
    • 7.14. Falhas possíveis
    • 7.15. Monitoração
    • 8. Instalação de motores elétricos de corrente contínua
    • 8.1. Com Ímã permanente
    • 8.2. Com estator bobinado
    • 9. Dispositivos de Manobra, Sinalização
    • 9.1. E Proteção de Sistemas Elétricos Industriais
    • 9.2. Botões de comando
    • 9.3. Sinaleiras luminosa e sonora
    • 9.4. Contatores de potência
    • 9.5. Contatores auxiliares
    • 9.6. Supressores de sobretensão
    • 9.7. Termostatos
    • 9.8. Termistores (PTC)
    • 9.9. Termorresistências (PT100)
    • 9.10. Relés de proteção contra sobrecarga
    • 9.11. Transformadores de corrente (TCs)
    • 9.12. Transformadores de comando
    • 9.13. Relés temporizadores (retardo na energização e desenergização, pulso na energização e cíclicos)
    • 9.14. Relés sequência de fase
    • 9.15. Relés falta de fase
    • 9.16. Relés de subtensão
    • 9.17. Relés de sobretensão
    • 9.18. Relé de proteção contra sobretemperatura
    • 9.19. Relés de monitoramento de nível
    • 9.20. Disjuntor motor
    • 9.21. Fusíveis DIAZED e NH
    • 10. Sensores industriais
    • 10.1. De proximidade
    • 10.2. De temperatura
    • 10.3. De velocidade
    • 10.4. De Pressão e vazão
    • 11. Crimpagem e conexões elétricas
    • 11.1. Partida Direta
    • 11.2. Motor de uma velocidade
    • 11.3. Motor de múltiplas velocidades (Dahlander, enrolamentos separados)
    • 12. Partida Indireta
    • 12.1. Estrela triângulo
    • 12.2. Compensada por autotransformador
    • 12.3. Triângulo série paralelo
    • 12.4. Estrela série paralelo
    • 13. Instalação de sistemas de frenagem de motores elétricos por:
    • 13.1. Contra corrente
    • 13.2. Eletromecânica
    • 13.3. Corrente contínua
    • 14. Instalação de Sistema de Partida Estática
    • 15. Soft-Starter
    • 15.1. Parametrização
    • 15.2. Princípio de funcionamento
    • 15.3. Características de partida em rampa de tensão e corrente
    • 15.4. Características de parada em rampa de tensão
    • 15.5. Características de Instalação
    • 16. Fusíveis, aterramento
    • 17. Interferências eletromagnéticas e
    • 18. Instalação em quadros de comando
    • 19. Acionamentos por:
    • 19.1. Entradas digitais a três fios e troca do sentido de giro
    • 19.2. Entradas digitais a três fios, contator de isolação e conexão do delta do motor com 6 terminais
    • 19.3. Entradas digitais para três motores
    • 20. Inversores de Frequência
    • 20.1. Princípio de funcionamento
    • 20.2. Controle escalar
    • 20.3. Controle vetorial
    • 20.4. Parametrização
    • 20.5. Parâmetros de leitura
    • 20.6. Referência de velocidade
    • 20.7. Velocidade do motor
    • 20.8. Corrente do motor
    • 20.9. Frequência aplicada ao motor
    • 20.10. Estado do inversor
    • 20.11. Torque no motor
    • 20.12. Parâmetros de regulação
    • 20.13. Tempo de aceleração Rampa linear e em "S"
    • 20.14. Tempo de desaceleração Rampa linear e em "S"
    • 20.15. Referência mínima e máxima de velocidade
    • 20.16. Multispeed
    • 20.17. Curva V/F ajustável
    • 20.18. Parâmetros de configuração
    • 20.19. Frenagem por injeção de corrente contínua
    • 20.20. Frenagem por rampa de desaceleração
    • 20.21. Frenagem reostática
    • 20.22. Rejeição de frequências críticas
    • 20.23. Partida com o motor girando (Flyng start)
    • 20.24. Compensação do escorregamento
    • 20.25. Parâmetros de funções especiais
    • 20.26. Ciclo automático
    • 20.27. Regulação de velocidade em malha fechada
    • 21. Verificação de conformidade das instalações
    • 21.1. Inspeção visual;
    • 21.2. Continuidade dos condutores de proteção
    • 21.3. Ensaios de funcionamento
    • 21.4. Resistência de isolamento da instalação
  • INSTALAÇÃO DE SISTEMAS ELETRÔNICOS
    • 1. Componentes PTH e SMD de sistemas eletrônicos:
    • 1.1. Manuseio
    • 1.2. Pré-formatação
    • 1.3. Cuidados com descargas eletrostáticas (Eletrostatical Sensible Device
    • 1.4. Soldagem e dessoldagem
    • 1.5. Materiais (solda com e sem chumbo, fluxo e malha para dessoldar)
    • 2. Ferro de solda
    • 3. Estação de solda
    • 4. Estação de retrabalho para componentes SMD
    • 5. Estação de dessoldagem
    • 6. Componentes SMD e PTH de sistemas eletrônicos:
    • 6.1. Normas de simbologia eletrônica
    • 6.2. Folha de dados (datasheet)
    • 6.3. Acessórios de montagem
    • 6.4. Encapsulamentos
    • 7. Resistores
    • 7.1. Tipos (Fixos e ajustáveis)
    • 7.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 8. Capacitores
    • 8.1. Tipos
    • 8.2. Identificação dos terminais
    • 8.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 9. Indutores
    • 9.1. Tipos
    • 9.2. Identificação dos terminais
    • 9.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 10. Diodos
    • 10.1. Tipos (Retificador, LED e Zener)
    • 10.2. Identificação dos terminais
    • 10.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 11. Ponte Retificadora
    • 11.1. Identificação dos terminais
    • 11.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 12. Transistores Bipolar
    • 12.1. Identificação dos terminais
    • 12.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 12.3. Transistor de Efeito de Campo Metal-Óxido Semicondutor (FET e MOSFET)
    • 12.4. Identificação dos terminais
    • 12.5. Código impresso e especificações do fabricante
    • 13. Tiristores
    • 13.1. Identificação dos terminais
    • 13.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 14. Circuitos Integrados
    • 14.1. Identificação dos terminais
    • 14.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 15. Reguladores de tensão
    • 15.1. Identificação dos terminais
    • 15.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 16. Dissipadores
    • 16.1. Definição
    • 17. Isoladores (mica e anéis)
    • 17.1. Pasta térmica
    • 18. Relé de estado sólido
    • 18.1. Identificação dos terminais
    • 18.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 19. Placas de Circuito Impresso (PCI)
    • 19.1. Material
    • 19.2. Número de Camadas
    • 19.3. Processos de fabricação
    • 19.4. Máscara de componentes
    • 19.5. Ilha e trilha
  • GESTÃO DA INSTALAÇÃO DE SISTEMAS ELETROELETRÔNICOS
    • 1. Visão Sistêmica
    • 2. Componentes SMD e PTH de sistemas eletrônicos:
    • 2.1. Normas de simbologia eletrônica
    • 2.2. Folha de dados (datasheet)
    • 2.3. Acessórios de montagem
    • 2.4. Encapsulamentos
    • 3. Resistores
    • 3.1. Tipos (Fixos e ajustáveis)
    • 3.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 4. Capacitores
    • 4.1. Tipos
    • 4.2. Identificação dos terminais
    • 4.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 5. Indutores
    • 5.1. Tipos
    • 5.2. Identificação dos terminais
    • 5.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 6. Diodos
    • 6.1. Tipos (Retificador, LED e Zener)
    • 6.2. Identificação dos terminais
    • 6.3. Código impresso e especificações do fabricante
    • 7. Ponte Retificadora
    • 7.1. Identificação dos terminais
    • 7.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 8. Transistores Bipolar
    • 8.1. Identificação dos terminais
    • 8.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 8.3. Transistor de Efeito de Campo Metal-Óxido Semicondutor (FET e MOSFET)
    • 8.4. Identificação dos terminais
    • 8.5. Código impresso e especificações do fabricante
    • 9. Tiristores
    • 9.1. Identificação dos terminais
    • 9.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 10. Circuitos Integrados
    • 10.1. Identificação dos terminais
    • 10.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 11. Reguladores de tensão
    • 11.1. Identificação dos terminais
    • 11.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 12. Dissipadores
    • 12.1. Definição
    • 13. Isoladores (mica e anéis)
    • 13.1. Pasta térmica
    • 14. Relé de estado sólido
    • 14.1. Identificação dos terminais
    • 14.2. Código impresso e especificações do fabricante
    • 15. Placas de Circuito Impresso (PCI)
    • 16. Material
    • 17. Número de Camadas
    • 18. Processos de fabricação
    • 19. Máscara de componentes
    • 20. Ilha e trilha
    • 21. Planejamento da instalação
    • 22. Planejamento da instalação
    • 22.1. Ciclo PDCA
    • 22.2. Sequência de atividades para execução da instalação
    • 22.3. Ordens de serviço e permissões de trabalho
    • 23. Definição dos prazos para o fornecimento de materiais, equipamentos e ferramentas
    • 23.1. Dados necessários para o planejamento da instalação:
    • 23.1.1.1. Quantidade e valor dos materiais e equipamentos
    • 23.1.1.2. Tempos de execução das atividades, quantidade e custo da mão de obra
    • 24. Cronograma
    • 24.1.1. Elaboração do cronograma
    • 24.1.2. Controlando a execução da instalação
    • 24.1.3. Adequações
    • 25. Processos de liderança das equipes de trabalho
    • 25.1. Estilos autocrático, democrático e liberal
    • 25.2. Trabalho em equipe
    • 25.2.1.1. Cooperação, competição, comprometimento e compromisso.
    • 25.2.1.2. Iniciativa pessoal
    • 25.3. Motivação
    • 25.3.1.1. O estudo dos motivos e as Teorias de Maslow e Herzberg
    • 25.4. Processo de mudança em uma organização
    • 25.4.1.1. Elementos e agentes envolvidos nos processos de mudança;
    • 25.4.1.2. Gestão dos processos de mudança
  • MANUTENÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS PREDIAIS
    • 1. Planejamento, programação e controle da manutenção das instalações elétricas, conforme estabelecido em norma vigente
    • 2. Realizando procedimentos de bloqueio e sinalização para a intervenção, conforme estabelecido em norma vigente
    • 3. Técnicas de desmontagem de equipamentos das instalações elétricas
    • 4. Técnicas de análise de falhas em instalações elétricas
    • 5. Identificação de sobrecargas em circuitos
    • 6. Identificação de sobreaquecimentoem componentes e circuitos
    • 7. Verificação de centelhamento e identificar falha de isolação (fuga de corrente)
    • 8. Resistência de isolamento
    • 9. Falhas elétricas (curto circuito franco / por impedância)
    • 10. Seletividade dos dispositivos de proteção dos circuitos elétricos
    • 11. Condições e valores nominais de trabalho (sub/ sobre/ desequilíbrio/tensão corrente)
    • 12. Sequência de fase (inversão)
    • 13. Análise de vibrações
    • 14. Análise ruídos
    • 15. Causas de falhas e defeitos em sistemas elétricos prediais
    • 15.1. Sistemas de alimentação elétrica instável
    • 15.2. Umidade nas tubulações/fiações/dispositivos
    • 15.3. Conexões com mau contato
    • 15.4. Descargas atmosféricas/surtos
    • 15.5. Curto circuito
    • 15.6. Fuga de corrente
    • 15.7. Manuseio/operação inadequada dos dispositivos elétricos prediais
    • 16. Procedimentos de diagnósticos
    • 16.1. Inspeção visual
    • 16.2. Realização de testes (de tensão, corrente, resistência de isolação, corrente de fuga e continuidade)
    • 17. Relatórios
    • 17.1. Registro de: Dados coletados durante os testes; Serviços executados
    • 17.2. Alterações a serem acrescentadas no prontuário e no projeto.
  • MANUTENÇÃO DE SISTEMAS ELETROELETRÔNICOS INDUSTRIAIS
    • 1. Planejamento, programação e controle da manutenção das instalações eletroeletrônicos industriais, conforme estabelecido em norma vigente
    • 2. Realizando procedimentos de bloqueio e sinalização para a intervenção, conforme estabelecido em norma vigente
    • 3. Técnicas de desmontagem de equipamentos das instalações elétricas
    • 4. Técnicas de análise de falhas em instalações elétricas
    • 5. Identificação de sobrecargas em circuitos
    • 6. Identificação de sobreaquecimento em componentes e circuitos
    • 7. Verificação de centelhamento e identificar falha de isolação (fuga de corrente)
    • 8. Resistência de isolamento,
    • 9. Falhas elétricas (curto circuito franco / por impedância)
    • 10. Seletividade dos dispositivos de proteção dos circuitos eletroeletrônicos
    • 11. Condições e valores nominais de trabalho (sub/ sobre/ desequilíbrio/tensãocorrente)
    • 12. Sequência de fase (inversão)
    • 13. Análise de vibrações
    • 14. Análise de ruídos
    • 15. Causas de falhas e defeitos em sistemas eletroeletrônicos industriais
    • 15.1. Sistemas de alimentação elétrica instável
    • 15.2. Umidade nas tubulações, fiações e dispositivos
    • 15.3. Conexões com mau contato
    • 15.4. Descargas atmosféricas/surtos
    • 15.5. Curto circuito
    • 15.6. Fuga de corrente
    • 15.7. Manuseio/operação inadequada dos dispositivos industriais
    • 16. Procedimentos de diagnósticos
    • 16.1. Inspeção visual
    • 16.2. Realização de testes (de tensão, corrente, resistência de isolação, corrente de fuga e continuidade)
    • 17. Relatórios
    • 17.1. Registro de: Dados coletados durante os testes; serviços executados; alterações a serem acrescentadas no prontuário e no projeto
  • MANUTENÇÃO DE SISTEMAS ELETRÔNICOS
    • 1. Planejamento, programação e controle da manutenção das instalações eletroeletrônicos industriais, conforme estabelecido em norma vigente
    • 2. Realizando procedimentos de bloqueio e sinalização para a intervenção, conforme estabelecido em norma vigente
    • 3. Técnicas de desmontagem de equipamentos das instalações elétricas
    • 4. Técnicas de análise de falhas em instalações elétricas
    • 5. Identificação de sobrecargas em circuitos
    • 6. Identificação de sobreaquecimento em componentes e circuitos
    • 7. Verificação de centelhamento e identificar falha de isolação (fuga de corrente)
    • 8. Resistência de isolamento
    • 9. Falhas elétricas (curto circuito franco / por impedância)
    • 10. Seletividade dos dispositivos de proteção dos circuitos eletroeletrônicos,
    • 11. Condições e valores nominais de trabalho (sub/ sobre/ desequilíbrio/tensãocorrente)
    • 12. Sequência de fase (inversão)
    • 13. Análise de vibrações
    • 14. Análise de ruídos
    • 15. Causas de falhas e defeitos em sistemas eletroeletrônicos industriais:
    • 15.1. Sistemas de alimentação elétrica instável
    • 15.2. Umidade nas tubulações, fiações e dispositivos
    • 15.3. Conexões com mau contato
    • 15.4. Descargas atmosféricas/surtos
    • 15.5. Curto circuito
    • 15.6. Fuga de corrente
    • 15.7. Manuseio/operação inadequado dos dispositivos eletrônicos
    • 16. Procedimentos de diagnósticos
    • 16.1. Inspeção visual
    • 16.2. Realização de testes (de tensão, corrente, resistência de isolação, corrente de fuga e continuidade)
    • 17. Relatórios
    • 17.1. Registro de: Dados coletados durante os testes; serviços executados; alterações a serem acrescentadas no prontuário e no projeto
  • GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE SISTEMAS ELETROELETRÔNICOS
    • 1. Gestão da Manutenção
    • 1.1. Análise das falhas nos equipamentos:
    • 1.2. Causas
    • 1.3. Prevenção
    • 1.4. Tratamentos
    • 1.5. Ferramentas da qualidade aplicáveis aos processos de manutenção:
    • 1.6. 5W1H
    • 1.7. MASP
    • 1.8. 5S
    • 1.9. Ciclo PDCA
    • 1.10. Indicadores de desempenho
    • 1.11. Elaboração do cronograma
    • 1.12. Ordens de serviço e permissões de trabalho
    • 1.13. Dados históricos
    • 2. Planejamento, Programação e Controle da Manutenção
    • 2.1. Sequência de atividades para execução da manutenção
    • 2.2. Definição dos prazos para aquisição de materiais, equipamentos e ferramentas
    • 2.3. Tempos de execução das atividades e
    • 3. Custos da mão de obra
    • 3.1. Cronograma
    • 3.2. Controlando a execução da manutenção
    • 3.3. Adequações
    • 3.4. Implicações ambientais
    • 3.5. Padrões de manutenção
    • 3.6. Elaboração do plano de manutenção
    • 4. Otimização dos recursos para manutenção
    • 4.1. Organização do pessoal
    • 4.2. Definição das responsabilidades
    • 4.3. Gestão dos materiais, equipamentos e ferramentas
    • 4.4. Custos do processo de manutenção
    • 4.5. Controle e revisão dos orçamentos
    • 4.6. Redução dos custos de manutenção
    • 4.7. Terceirização dos processos de manutenção
  • PROJETO DE SISTEMAS ELÉTRICOS PREDIAIS
    • 1. Ferramentas de controle do desenvolvimento e execução do projeto
    • 1.1. Identificação dos pontos críticos
    • 1.2. Controle de prazos
    • 2. Concepção do projeto elétrico predial
    • 2.1. Levantamento de dados: planta baixa da arquitetura do prédio, com detalhes da infraestrutura, condições de fornecimento de energia elétrica, características das cargas
    • 2.2. Localização dos quadros de distribuição de circuitos terminais
    • 2.3. Localização do quadro de distribuição geral
    • 2.4. Estimativa de custos
    • 3. Previsão das cargas e divisão de circuitos segundo a NBR 5410
    • 3.1. Iluminação: Métodos para o cálculo de iluminação
    • 3.2. Tomadas: Quantidade mínima de tomadas de uso geral, Quantidade e potência de tomadas de uso específico
    • 3.3. Circuitos terminais: Critérios para divisão da instalação em circuitos
    • 4. Fornecimento de energia elétrica
    • 4.1. Especificação de entradas de energia: Carga instalada, provável demanda, fator de demanda
    • 4.2. Padrão de entrada: Norma específica da concessionária local
    • 4.3. Critérios para o dimensionamento (seção mínima do condutor fase, capacidade de condução de corrente e limite da queda de tensão)
    • 4.4. Critério para o dimensionamento da seção mínima do condutor de proteção previsto na NBR 5410
    • 5. Dimensionamento dos dispositivos de proteção
    • 5.1. Disjuntores termomagnético e/ou
    • 6. Fusíveis
    • 6.1. Disjuntor diferencial
    • 7. Dimensionamentos de Dutos:
    • 7.1. Eletrodutos
    • 7.2. Canaletas
    • 7.3. Eletrocalhas
    • 7.4. Bandejas (leitos)
    • 7.5. Consulta a catálogos e manuais
    • 8. Dimensionamento de Sistema de Aterramento
    • 8.1. Específicar segundo NBR 5410: Esquema TN, Esquema TT, Esquema IT
    • 9. Dimensionamento Proteção contra descargas elétricas atmosféricas
    • 9.1. Especificar segundo a NBR 5419
    • 10. Dimensionamento Luminotécnica
    • 10.1. Sistemas de iluminação de interiores e exteriores
    • 11. Dimensionamento de Sistemas Autônomos
    • 11.1. Controle de iluminação
    • 11.2. Sistema de controle de acesso
    • 11.3. Sistema de segurança patrimonial
    • 11.4. Sistema de monitoramento,(CFTV)
    • 11.5. Sistema de controle de climatização
    • 12. Dimensionamento de Sistemas Automação
    • 12.1. Sistemas de persianas
    • 12.2. Sistemas de controle de iluminação
    • 12.3. Sistema de segurança patrimonial
    • 12.4. Sistema de controle de climatização
    • 12.5. Integração dos dispositivos (Redes de comunicação, redes sem fio, sistemas de supervisão)
    • 13. Elaboração de planta elétrica baixa predial
    • 13.1. Representação dos símbolos gráficos na planta, conforme previsão das cargas
    • 13.2. Posicionamento na planta dos quadros de: medição e distribuição
    • 13.3. Representação na planta dos eletrodutos de interligação dos pontos de luz, tomadas, QDP (quadro de distribuição e proteção) e QM (quadro de medição)
    • 13.4. Representação dos circuitos
    • 13.5. Representação na planta dos eletrodutos da rede de telefonia, TV,
    • 14. Redes de comunicação
    • 14.1. Indicação na planta das seções dos condutores
    • 14.2. Elaboração esquema multifilar do QDP
    • 14.3. Elaboração do padrão de entrada de energia
    • 14.4. Documentação final: Planta elétrica,
    • 15. Esquema multifilar do QDP, Padrão de entrada de energia, memorial de cálculo, memorial descritivo
    • 15.1. Previsão de recursos materiais
    • 15.2. Desenho auxiliado por computador (ferramenta CAD)
    • 16. Validação
    • 16.1. Utilização de procedimentos de testes
    • 16.2. Utilização de instrumentos de medição
    • 16.3. Utilização de EPI’s
    • 16.4. Registrando os dados do comissionamento
    • 16.5. Análise crítica dos resultados
  • PROJETO DE SISTEMAS ELETROELETRÔNICOS INDUSTRIAIS
    • 1. Ferramentas de controle do desenvolvimento e execução do projeto
    • 1.1. Identificação dos pontos críticos
    • 1.2. Controle de prazos
    • 2. Dimensionamento dos sistemas de acionamento de motores elétricos de indução (contatoras, relés, disjuntores e circuitos auxiliares)
    • 2.1. Partida direta
    • 2.2. Partida estrela-triângulo
    • 2.3. Partida compensada
    • 2.4. Partida Soft start
    • 2.5. Inversor de frequência
    • 3. Dimensionamento do Circuitos de Alimentação e Distribuição do CCM
    • 3.1. Critérios para o dimensionamento de condutores (seção mínima do condutor fase, capacidade de condução de corrente e limite da queda de tensão)
    • 3.2. Critério para o dimensionamento da seção mínima do condutor de proteção previsto na NBR 5410
    • 4. Dimensionamento dos dispositivos de proteção do Circuitos de Alimentação e Distribuição do CCM
    • 4.1. Disjuntores termomagnético e/ou fusíveis
    • 5. Dimensionamento do transformador de entrada
    • 6. Dimensionamento do banco de capacitores
    • 7. Projeto de integração de sistemas eletropneumática e eletro-hidráulica, utilizando métodos de
    • 7.1. Intuitivo
    • 7.2. Da minimização de contatos ou sequência mínima
    • 7.3. Da maximização de contatos ou cadeia estacionária
    • 8. Projeto automatizado em sistemas industriais, utilizando controlador lógico programável e inversor de frequência
    • 9. Validação
    • 9.1. Utilização de procedimentos de testes
    • 9.2. Utilização de instrumentos de medição
    • 9.3. Utilização de EPI’s
    • 9.4. Registrando os dados do comissionamento
    • 9.5. Análise crítica dos resultados
    • 9.6. Adequação do projeto com base nos resultados obtidos
  • PROJETO DE SISTEMAS ELETRÔNICOS
    • 1. Ferramentas de controle do desenvolvimento e execução do projeto
    • 1.1. Identificação dos pontos críticos
    • 1.2. Controle de prazos
    • 2. Dimensionamento de fonte linear
    • 2.1. Retificador
    • 2.2. Filtro capacitivo
    • 2.3. Reguladores de tensão fixos e ajustáveis
    • 3. Dimensionamento da interface de potência por meio de acoplador AC e DC
    • 3.1. Projeto automatizado em sistemas industriais, utilizando microcontroladores
    • 4. Validação do projeto
    • 4.1. Medições e ajustes
    • 4.2. Funcionamento de acordo com o projeto
    • 4.3. Correção de possíveis falhas de projeto
    • 4.4. Registros da validação
    • 4.5. Resultados da validação
  • PROJETO DE MELHORIAS DE SISTEMAS ELETROELETRÔNICOS
    • 1. Planejamento dos projetos de melhorias
    • 1.1. Definição do escopo junto ao cliente
    • 1.1.1. Como interagir com o cliente
    • 1.1.2. Levantamento dos dados pertinentes
    • 1.1.3. Determinação do escopo do projeto
    • 1.1.4. Validação do escopo junto ao cliente
    • 1.2. Diferenciais
    • 1.2.1. Inovação
    • 1.2.2. Ecoeficiência
    • 1.3. Análise da viabilidade
    • 1.3.1. Técnica
    • 1.3.2. Financeira
    • 1.4. Elaboração de cronograma
    • 1.4.1. Etapas para a execução
    • 1.4.2. Prazos para fornecimento dos recursos materiais e humanos
    • 1.4.3. Pontos de verificação e ajustes
    • 1.5. Definição de critérios para avaliação do protótipo, produto ou sistema
    • 1.5.1. Processos de fabricação
    • 1.5.2. Manutenção
    • 1.5.3. Segurança
    • 1.5.4. Impactos ambientais
    • 1.5.5. Determinação do alcance do escopo definido com o cliente
    • 2. Desenvolvimento dos projetos de melhorias
    • 2.1. Alocação de recursos para execução
    • 2.1.1. Técnicos e/ou tecnológicos
    • 2.1.2. Humanos
    • 2.1.3. Materiais
    • 2.2. Execução
    • 2.2.1. Construção de protótipos, produtos e/ou sistematização de resultados.
    • 2.2.2. Testes e simulações
    • 2.3. Validação do projeto
    • 2.3.1. Avaliação das características técnicas e funcionais
    • 2.3.2. Avaliação do alcance do escopo definido com o cliente
    • 2.4. Elaboração de documentação técnica da integração
    • 2.4.1. Memorial descritivo
    • 2.4.2. Registro de avaliação de viabilidade
    • 2.4.3. Registro de validação
  • ESTÁGIO/TCC

Carga Horária

1400 Horas
SENAI - Departamento Regional do Ceará | CNPJ: 03.768.202/0001-76
Av. Barão de Studart, 1980 - 1º andar - Aldeota - Fortaleza/CE - CEP: 60.120-024
POLÍTICA DE PRIVACIDADE & COPYRIGHT