aqui e utilize o filtro “cursos técnicos” em Modalidades para conferir a oferta de vagas abertas de cursos em Segurança do Trabalho, Automotiva, Metalmecânica e muito mais.

">
descer
SENAI
Produção Mais Limpa e uma nova percepção dos meios de produção

Nos momentos de crise econômica, é comum observar as empresas contratarem consultorias para apontar como elas podem reduzir despesas. Infelizmente, muitas vezes isso leva a cortes de pessoal e redução da capacidade de produção. Dentro desta visão, as áreas mais afetadas com o corte são as áreas conhecidas como acessórias ou de suporte à produção, entre elas o setor de QSMS (Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde) da empresa.

Com isso, a empresa perde substancialmente sua capacidade de identificar desvios que possam levar a acidentes e, consequentemente, a danos ambientais, econômicos e sociais. Essa eterna “batalha” entre a viabilidade econômica e a sustentabilidade ambiental dentro dos meios de produção industrial tem suscitado discussões entre os mais diversos atores envolvidos. No entanto, ideias que aparentemente parecem ser antagônicas podem se transformar em aliadas quando o assunto é Programa de Produção Mais Limpa.

O braço das Nações Unidas para o Meio Ambiente e para o Desenvolvimento Industrial, desenvolveu, no início deste século, um programa que tenta refutar, ou pelo menos afastar, essa batalha entre o econômico e o ambiental, através do Programa de Produção Mais Limpa, também conhecido como P+L.

O P+L tenta levar aos meios de produção a cultura do uso eficiente dos recursos naturais, através de ferramentas de gestão aplicadas na produção. Estas ferramentas são medidas por indicadores de eficiência de produção e indicadores ambientais, que se comunicam através de índices de ecoeficiência dos processos industriais.

A Produção Mais Limpa, desta forma, está intrinsecamente ligada à estratégia organizacional, uma vez que permeia todas as atividades da empresa, seja nos processos industriais ou nas áreas administrativas. Ela parte de um raciocínio que busca utilizar da melhor forma possível os recursos necessários para o funcionamento da empresa e sua produção. Assim, verifica-se de que forma as matérias e energias residuais podem ser reaproveitadas internamente, de forma que seja destinado o mínimo possível de recursos residuais para fora da empresa, aliando ganhos econômicos a ganhos ambientais.

As soluções de P+L podem ser desde pequenas mudanças de procedimento operacional, com zero de investimento, até grandes alterações que necessitem de investimentos em inovação. Porém, a maioria das soluções de P+L são de baixo investimento e com tempo de retorno do investimento abaixo de seis meses. Desta forma, pode e deve ser considerada um procedimento estratégico para a empresa obter vantagens competitivas.

Com a aplicação de programas como o P+L, as indústrias tornam-se mais sustentáveis e competitivas, unindo os pensamentos, antes antagônicos, de aumento dos lucros com aumento do desempenho ambiental da empresa.

Junto ao programa P+L, há o crescimento da ecoinovação, que vem avançando no sentido de aproveitar os recursos residuais gerados pelos processos industriais para a produção de um bem em um processo de produção em outra indústria. Desta forma, há uma relação de ganha-ganha entre as indústrias, conhecida como simbiose industrial.

Cândido Henrique de Aguiar

Sobre o Autor: Cândido Henrique de Aguiar

Geógrafo pela Universidade Estadual do Ceará - UECE, mestre em Geologia pela Universidade Federal do Ceará - UFC, auditor líder em Sistema de Gestão Integrada (ISO 9001 / 14001 e OSHAS 18.001), graduando do curso de Engenharia Civil pelo Centro Universitário Maurício de Nassau. Atua como Consultor em Meio Ambiente e Sustentabilidade Empresarial pelo SENAI Ceará.
Currículo Lattes
Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *