que mais cresceram nos últimos anos, mesmo em decorrência da pandemia da COVID-19. De acordo com a ABIA, Associação Brasileira de Alimentos e Bebidas, a área registrou um crescimento de 12,8% em 2020. 

Em virtude da alta demanda da área, o SENAI começará a disponibilizar cursos na área de alimentos e bebidas na unidade de Maracanaú a partir de 2022. Você quer crescer profissionalmente nessa área?

Então, prossiga acompanhando este artigo. Aqui você vai entender mais sobre o mercado de trabalho, cursos ofertados e perspectivas do setor para o futuro, com foco na demanda de Maracanaú. Boa leitura! 

Entenda mais sobre a área de Alimentos e Bebidas do SENAI Maracanaú 

Quando falamos em alimentos e bebidas, o que vem na sua cabeça? Provavelmente, você pensa em bolos, pães, doces, salgados, não é mesmo? Mas, ao contrário do que muitas pessoas pensam, a área de alimentos e bebidas não se resume apenas a isso.

Por isso, o SENAI Maracanaú está antenado com as tendências de mercado e entendeu a necessidade de atender a demanda do município e cidades vizinhas, como Apuiarés, Horizonte, Itapajé, Maranguape, Pacajus, Pentecoste, Russas, São Gonçalo do Amarante e Uruburetama. 

Na região, o foco se concentra nas frutas e hortaliças, bebidas e pescado. Por isso, os cursos ofertados no SENAI Maracanaú estão voltados para esses segmentos. Confere só alguns que estão no nosso portfólio:

Na unidade de Maracanaú, temos salas de aula climatizadas, laboratórios para o aprendizado constante, professores qualificados, aulas práticas e plantas pilotos.

No total, são 3 plantas pilotos: a de frutas e hortaliças, de bebidas e de pescado. E, se você não sabe muito bem o que são essas plantas, nós explicamos: uma planta piloto é um pequeno sistema de processamento químico, ou seja, uma planta de processo em escala reduzida. Elas existem com o objetivo de produzir em pequena escala, fazer simulações, ideal para aprendizagem dos alunos do SENAI, uma vez que ele poderá se aprofundar e colocar em prática todo conhecimento que ele aprende em sala de aula.

Mercado de trabalho e áreas atendidas pelo SENAI Maracanaú 

O profissional que estuda com foco em atuar para o município de Maracanaú e cidades vizinhas pode trabalhar em:

Abaixo você confere exemplos de empresas que você, como profissional da área, pode atuar: 

Bebidas alcoólicas e não-alcoólicas: no Ceará, há um grande potencial econômico para o consumo de bebidas no modo geral. Além disso, o estado é um grande produtor de cachaça, sucos, polpas, refrigerantes e água. Dentre as empresas que trabalham no segmento, podemos destacar a Ambev, Solar Coca-Cola, Heineken e Grupo Edson Queiroz.

Frutas e Hortaliças: também somos bons produtores de frutas e hortaliças. O SENAI Maracanaú possui uma parceria com as Centrais de Abastecimento do Ceará (CEASA-CE). Inclusive, em agosto desse ano, o SENAI junto com o Governo do Estado, promoveu aulas práticas do curso de Ciências Aplicadas às Frutas, com o intuito de qualificar 3.800 pessoas ligadas à Ceasa de todo o estado.

Pescado: a área de produtos de origem animal trabalha com beneficiamento, processamento e reaproveitamento. No setor, podemos destacar a Crusoé Foods, maior exportadora de atum em conserva do país, localizada em São Gonçalo do Amarante. 

O salário médio nacional de um assistente de Alimentos e Bebidas é de R$ 4.077 (Fonte: Site Glassdoor). Já um Gerente de Alimentos e Bebidas possui uma média salarial de R$ 5.655 e pode ganhar até R$ 7.876 (Fonte: Site Vagas).

Lembrando que o salário do profissional pode sofrer alterações dependendo do nível do especialista, do cargo exercido, da empresa em que ele vai atuar e da região em que ele vai trabalhar. 

Dicas para quem quer trabalhar no setor de Alimentos e Bebidas 

Se você chegou até aqui, certamente tem interesse em trabalhar na área. Por isso, para que você invista nela, separamos algumas dicas. 

Fique de olho nas tendências do mercado

Para quem deseja trabalhar na área de alimentos e bebidas, é fundamental ficar sempre atento às tendências do mercado. Afinal, estando ciente do que vai despontar nos próximos meses, fica mais fácil atuar no setor, fazendo novas criações e focando em inovação.

Inclusive, essa é uma das perspectivas do futuro para a área: inovação. Como falamos no início do artigo, a pandemia não afetou o setor que busca um aumento de tecnologias disruptivas, gestão mais sustentável de toda cadeia de produção e, principalmente, alimentos que têm a saudabilidade como critério.

Para você ter uma ideia, atualmente o Brasil é o 4° colocado em consumo de alimentos saudáveis no ranking global, de acordo com uma pesquisa realizada pela Euromonitor. Por isso, não descuide das tendências de mercado se você quiser ficar à frente da concorrência no mercado de trabalho. 

Procure sempre instituições reconhecidas pelo mercado de trabalho 

Que é importante se qualificar, isso você já sabe. Mas, não adianta procurar qualificação de qualquer jeito ou em qualquer lugar, concorda? Por isso, a nossa dica é que você procure instituições reconhecidas pelas indústrias, como o SENAI Ceará.

É fundamental que a instituição tenha uma bagagem de conhecimento prático que vai direcionar você para o mercado de trabalho. E o SENAI entende disso. Afinal, nós estamos alinhados com as necessidades das empresas.

Isso porque, de acordo com a Pesquisa Egressos (2019): 

Estamos sempre buscando desenvolver e capacitar profissionais para atuar no mercado de trabalho, com foco em qualificá-los para o aumento da produtividade nas empresas e para que eles consigam sucesso profissional.

Os cursos do SENAI formam profissionais para 28 áreas da indústria brasileira, desde a iniciação profissional até a graduação e pós-graduação tecnológica. E é por isso que os profissionais do SENAI são os mais procurados dos últimos anos

Se interessou e deseja conhecer todos os cursos que o SENAI oferece na área de alimentos e bebidas? Então, basta clicar aqui

Temos a certeza que você encontrará um curso que desperte seu interesse e alinhado com as suas expectativas para o futuro.

">
descer
SENAI
Indústria 4.0: o que esperar da 4ª revolução industrial

Um termo que atualmente é extremamente popular no meio tecnológico e industrial é a chamada indústria 4.0, mas será que sabemos realmente o que isso significa? Qual sua proposta de alteração para a dinâmica industrial do futuro? Como irá se comportar a sociedade em geral diante da profundidade dos impactos dos avanços alcançados?

O termo indústria 4.0 surgiu na Alemanha em 2012 e, desde então, se tornou um dos assuntos mais comentados dentro do meio tecnológico. Nos Estados Unidos, costuma se chamar de IOT ou Internet of things (no português: internet das coisas), que não se limita apenas a aplicações industriais, mas engloba uma infinidade de aplicações, por exemplo comunicações, automação residencial etc. No Brasil, adota-se a nomenclatura manufatura avançada, mas, independentemente de como é chamada, trata-se da 4ª Revolução Industrial. Assim como nos ciclos de evolução anteriores, uma característica salta à frente. Na primeira revolução, máquinas a vapor; na segunda, a mecanização e o uso de eletricidade; na terceira, tivemos o advento da eletrônica; e na quarta, temos como característica principal a informação, que passa a ser de fundamental importância. A partir dela, os próprios equipamentos se tornarão capazes, por exemplo, de tomar decisões, a fim de otimizar a produção, monitorando-a e gerenciando-a através de indicadores, e corrigindo possíveis inconformidades sem a intervenção humana.

É notório que todas essas evoluções ocorridas em tão pouco tempo são capazes de gerar impactos profundos na sociedade em geral. Ao contrário do que se pode imaginar – que os computadores e robôs substituiriam as pessoas e que, portanto, a revolução industrial atual seria algo ruim – é possível que os trabalhadores sejam reposicionados, adaptando-se aos novos modelos de negócio propostos. Nesse novo contexto, trabalhos manuais, insalubres e repetitivos seriam realizados por máquinas, enquanto pesquisa, desenvolvimento e tecnologia ficariam a cargo do potencial humano. Isso exige cada vez mais capacitação e preparo para o engajamento nos postos de trabalho do novo modelo de indústria.

Os impactos positivos esperados são:

  • Redução nos custos de manutenção entre 10% a 40%
  • Diminuição no consumo de energia entre 10% e 20%
  • Aumento na produtividade do trabalho entre 10% e 25%

Fonte: McKinsey, 2015

A 4ª Revolução Industrial já é uma realidade e precisamos nos habituar ao conceito. As novas tecnologias nos ajudarão a aumentar a produtividade e agregar cada vez mais valor aos produtos e processos, com novidades como:

  • Impressão 3D
  • Big Data
  • Robótica Avançada
  • Inteligência Artificial
  • Computação em Nuvem
  • Novos Materiais Inteligentes
  • IOT

A Rede SENAI de Inovação conta com 25 Institutos de Inovação em todo o país atendendo empresas de pequeno, médio e grande porte além de startups. No Ceará, atendimentos relacionados a Indústria 4.0 são feitos pelo SENAI Ceará, por meio do Instituto SENAI de Tecnologia Eletrometalmecânica (ISTEMM). Saiba mais!

 

Tiago Gomes de Araújo

Sobre o Autor: Tiago Gomes de Araújo

Graduando em Engenharia Elétrica pela Faculdade Farias Brito, técnico em Eletromecânica de Manutenção Industrial pelo SENAI Ceará e em Eletrotécnica pelo Centro de Estudo e Pesquisa em Educação Profissional. Atualmente atua como Assistente Técnico no SENAI Ceará.
Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *